Sábado, 13 de Julho de 2024
17°

Parcialmente nublado

Guaíra, SP

Saúde PSICOLOGIA

INFINITO PARTICULAR

Por Camilo Junqueira Prata

05/05/2024 às 16h09 Atualizada em 31/05/2024 às 09h47
Por: Camilo Junqueira Prata
Compartilhe:
Imagem da Internet
Imagem da Internet

Tem sobrado pouco tempo para muita coisa, quem dirá para identificar, descrever, nomear, verbalizar e compartilhar os nossos sentimentos. Bem sabemos da dificuldade em dimensionar a vida afetiva em uma base exata.

No conto “Perdoando Deus”, de Clarice Lispector, o narrador personagem descreve o desafio de definir o amor: 

“Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões, é que se ama verdadeiramente".

O esclarecimento sobre a nossa vida emocional exige uma certa aferição, na qual falar - desde sempre - é fundamental e simples exercícios mentais são complementares. Por ex., colocar na balança imaginária afetos, emoções e sentimentos: pesando e comparando suas intensidades e, às vezes, re-encontrando suas origens e significados. 

A complexidade existente entre as compreensões e as incompreensões do amor e os desconfortos cotidianos, passando por irritações e, por vezes, chegando às explosões e aos colapsos; tudo isso  são exemplos de unidades de análise.  

As situações de crise e de re-orientação e re-construção de projetos de vida demandam atenção especial sobre o conhecimento dos sentimentos. A Psicologia, a Literatura e a Música podem facilitar - e muito! - nesta empreitada.

 

Camilo Junqueira Prata, 41, é psicólogo. Formou-se  na Universidade Federal do Paraná em 2010.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários