Sábado, 17 de Abril de 2021 11:18
17 99131-2145
Política Negociações

O futuro do Ministério da Saúde

Centrão se divide entre trocar Pazuello por deputado ou por médico

14/03/2021 15h11 Atualizada há 1 mês
Por: Camilo Prata Fonte: https://congressoemfoco.uol.com.br
Fachada do Ministério da Saúde, Brasília/DF. Crédito: Arquivo do Ministério
Fachada do Ministério da Saúde, Brasília/DF. Crédito: Arquivo do Ministério

É quase unanimidade no Congresso Nacional a percepção que o general Eduardo Pazuello tem de sair do comando do Ministério da Saúde. Dentro do governo, assessores palacianos admitem que saída dele pode acontecer em prol de uma unidade com o Poder Legislativo.

No entanto, ainda não há consenso para um nome ideal de substituto. O Congresso em Foco ouviu um integrante influente do PP, que afirmou que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e o presidente do partido, senador Ciro Nogueira, tentam fazer com que o substituto seja o deputado Luiz Antonio Teixeira Júnior (PP-RJ), conhecido como Doutor Luizinho.

Apesar de Luizinho ser o nome preferido pela cúpula do PP, não há unanimidade dentro do partido. O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), tem dito que Pazuello deve permanecer no cargo. Barros já foi ministro da Saúde durante o governo de Michel Temer (MDB). O Congresso em Foco ouviu relatos de que a indicação de Luizinho não agradaria o paranaense. O líder do governo também é um dos apontados para assumir a Saúde.

Outros deputados do partido querem a saída de Pazuello, mas veem como negativa a pressão para que Luizinho seja escolhido. A opinião dessa ala, que tem eco em outros partidos do Congresso, é que o próximo ministro da Saúde tem que ser um médico de renome nacional. Um dos citados é Raul Cutait, cirurgião gástrico que atua no hospital Sírio Libanês, é professor da Universidade de São Paulo (USP) e membro da Academia Brasileira de Medicina.

O deputado do Rio de Janeiro foi escolhido nesta semana para presidir a Comissão de Seguridade Social da Câmara. No ano passado, ele era o relator da comissão de acompanhamento da covid-19.

Luizinho foi secretário de Saúde do Rio de Janeiro de 2016 a 2018, durante a gestão do governador Luiz Fernando Pezão (MDB). O então secretário foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF), no âmbito da Lava Jato, por constrangimento ilegal.

Na denúncia, apresentada em 2018, os procuradores sustentam que ele influenciou o governo a pagar uma multa de R$ 791.612.,59 para a empresa Brasport, que é do ramo de vigilância sanitária. De acordo com a denúncia, Odir Mendes Filho, dono da empresa, ameaçou funcionários ligados ao governo com uma arma para receber os pagamentos atrasados.

Em entrevista ao jornal O Globo em 2018, pouco após a denúncia, o ex-secretário disse:

"Eu, ainda como secretário, recebi o Odir e disse firmemente que não tinha como pagar. Eu tinha conhecimento da dívida da OS [Organização Social] com a empresa dele, sabia da pressão que estava sendo feita à Pró-Saúde, mas eu não participei de nada disso. Eu não marquei reunião para falar disso. Eu encontrei o atual secretário e, por acaso, ele estava com eles. A gente vai provar que isso não é verdade."

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.